FNP
Área restrita
aos Associados

Trabalhadores da Companhia Docas iniciam greve de 24 horas em São Sebastião

Trabalhadores da Companhia Docas iniciam greve de 24 horas em São Sebastião

Contra Privatização e retirada de direitos

Trabalhadores da Companhia Docas iniciam greve de 24 horas em São Sebastião

Os funcionários da Companhia Docas do Porto de São Sebastião iniciaram nesta terça-feira (9) greve de 24h da categoria portuária . A greve acontece após três meses de negociação, em que não houve por parte da compahnhia sequer proposta de reajuste salarial. A diretoria do Sindipetro-LP participou durante a manhã dos atos realizados pelos portuários em São Sebastião. Além da campanha salarial, os portuários se mobilizam contra a privatização dos portos em todo Brasil, entre eles o de São Sebastião, de Santos e de Vitória, no Espírito Santo, que estão diretamente interligados.  A adesão dos trabalhadores do quadro da Docas é quase total, com exceção dos comissionados.

Com a privatização, só no porto de São Sebastião serão 100 trabalhadores diretos da Docas demitidos. As demissões podem ser maiores se considerado que os funcionários avulsos e outros de empresas prestadoras de serviços também serão atingidos, direta ou indiretamente.

Para tornar o negócio ainda mais atrativo para o futuro comprador, o governo quer baratear os custos de operação, tirando direitos dos trabalhadores concursados. João Carlos, funcionário próprio da Docas de São Sebastião, explica que a companhia propôs no acordo coletivo  dos portuários criação de bancos de horas e descontos de 10% nos valores do VA e VR do trabalhadores.

A direção Sindical tem feito incursões em Brasília, conversando com os órgãos federais e federações dos trabalhadores para pensar meios de parar o processo de privatização que caminha a passos largos. Com as mudanças feitas pelo governo federal na legislação, o único ponto de resistência da privatização dos portos parte dos trabalhadores.

A categoria petroleira está com os portuários nessa luta!

Comentários