Sindipetro-LP consegue suspensão da parada na UGAV para garantir segurança dos trabalhadores contra o coronavirus

RPBC

Desde que começaram os casos do coronavirus na região o Sindipetro-LP vem atuando junto a gerência da Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), em Cubatão, para adequar a segurança dos que os trabalhadores próprios e contratados contra a disseminação do vírus da doença.

Após muita pressão, o Sindicato conseguiu a suspensão da parada na UGAV a partir desta segunda-feira (23). O entendimento é que a parada pode ser feita daqui a um mês.

O Sindipetro também havia notificado, via denúncia, aos órgãos competentes de vigilância sanitária e saúde do trabalhador, de modo que interditassem a parada de manutenção da UGAV. Como os gestores da refinaria tomaram a decisão antes da intervenção do órgão fiscalizador dos trabalhadores, o Sindipetro-LP irá comunicar nesta segunda-feira (23) pela manhã que não será necessária diligência na unidade.

Outra mudança é que também nesta segunda-feira (23) os trabalhadores da manutenção começarão a laborar em regime de 12 por 36 horas corridas. A jornada será das 7h30 às 19h30. A equipe da manutenção será dividida em dois grupos e os trabalhadores farão a manutenção nos serviços para continuidade operacional. Quem trabalhar 12 horas no dia folgara no outro. Essa jornada de trabalho valerá durante o período de pandemia.

Vale ressaltar que no decorrer da negociação, com a Petrobrás, o Sindipetro exigiu que, apesar de importante a suspensão da parada, por conta das contaminações do COVID-19, a empresa deveria garantir aos trabalhadores da manutenção e da parada, o pagamento dos seus salários através de medidas mitigadoras junto à contratada. É obrigação da Petrobrás garantir não somente a saúde da força de trabalho, mas também a dignidade financeira, uma vez que se depender das empresas contratadas essa iniciativa não seria feita de forma espontânea uma vez que os contratos não permitem tais situações.

Vale lembrar, que as atividades do pessoal do administrativo a Petrobrás afirmou que irá migrar, na medida do possvel, para home office.

Medidas de saúde

O Sindipetro também reivindicou medidas de profilaxia e cuidados para os trabalhadores (as) da refinaria. A gerência disponibilizou o Fone Medicina (21) 3224-7000 para atendimento em caso de sintomas e tirar dúvidas.

Os nossos dirigentes também reiteraram a necessidade de álcool gel em todas as unidades e laboratório. No entanto, até o momento, a CCI é o único local da unidade que tem produto. O Sindipetro também reivindicou que na CCI seja distribuída máscara de proteção para quem quiser usar. Um local como a RPBC deve ter esses dois itens disponíveis para a força de trabalho já que o número de trabalhadores (as) é muito grande. Além disso, pediu também que a gerência libere as gestantes para fazer home office já que elas fazem parte do grupo de risco.

O Sindicato também solicita à força de trabalho que relate qualquer condição anormal de prevenção ao COVID-19 aos diretores do Sindipetro-LP, e que se for necessário tomaremos decisões para acionamento do Ministério Público do Trabalho. Até o momento não temos casos de suspeitas de coronavirus na unidade. Os petroleiros (as) que apresentaram sintomas de gripe foram afastados de forma preventiva e seguem em isolamento domiciliar.

A informação que temos é que um trabalhador da RPBC apresentou sintomas da doença, mas que ele não esteve na unidade. O petroleiro possivelmente contraiu o vírus durante uma viagem internacional.