A importância do Novembro Azul na prevenção do câncer de próstata

Previna-se

Por Dr. Edison Aguiar

O mês de novembro é marcado pelo Novembro Azul, campanha mundial que reforça a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de próstata. Este tipo de câncer é o segundo mais comum entre os homens brasileiros, sendo que a maior parte das vítimas da doença são pessoas maiores de 50 anos, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

O estudo realizado pelo Inca dá conta de que cerca de 68 mil novos casos de câncer de próstata são diagnosticados por ano no Brasil. Por isto, para diagnosticar precocemente os casos de doença é necessário fazer exames periodicamente.

Criado na Austrália, em 2003, e adotado pela Organização Mundial de Saúde, o Novembro Azul é um movimento mundial, que chama a atenção para os cuidados com a doença. Por todo o planeta, campanhas, cartilhas e incentivo ao exame são feitos para que haja uma consciência de todos e os casos de morte diminuam.

Fatores de risco
Um dos fatores apontados em estudo do Inca é o avanço da idade. Nove em cada dez homens diagnosticados com o câncer de próstata têm mais de 55 anos. Outro fator é o histórico familiar. Homens cujo pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, fazem parte do grupo de risco. O sobrepeso e a obesidade também podem contribuir para desenvolver a doença.

Sintomas
Entre os sintomas mais comuns que devem acender o sinal de alerta, estão a dificuldade e a demora em começar e terminar de urinar, a presença de sangue na urina, diminuição do jato e a necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Prevenção e diagnóstico
Ter uma alimentação saudável, praticar atividade física, não fumar nem consumir bebida alcoólicas são algumas das recomendações do Inca para a prevenção. Os dois exames iniciais feitos para investigar sinais da doença são o de sangue chamado de PSA e o toque retal.

Todas as modalidades de tratamento são oferecidas, de forma integral e gratuita, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Tratamento
O tratamento do câncer de próstata é feito por meio de uma ou de várias modalidades/técnicas de tratamento, que podem ser combinadas ou não. A principal delas é a cirurgia, que pode ser aplicada junto com radioterapia e tratamento hormonal, conforme cada caso.

Quando localizado apenas na próstata, o câncer pode ser tratado com cirurgia oncológica, radioterapia e até mesmo observação vigilante, em alguns casos especiais. No caso de metástase, ou seja, se o câncer da próstata tiver se espalhado para outros órgãos, a radioterapia é utilizada junto com tratamento hormonal, além de tratamentos paliativos.

A escolha do melhor tratamento é feita individualmente, por médico especializado, caso a caso, após definir quais os riscos, benefícios e melhores resultados para cada paciente, conforme estágio da doença e condições clínicas do paciente.

Benzeno e outros derivados de petróleo
Pesquisas têm demonstrado que o benzeno e outros derivados de petróleo não apenas são produtos químicos cancerígenos (causadores de câncer), mas crônicos, em longo prazo a exposição a estes produtos têm sido associada a várias formas de câncer. A principal delas é leucemia, levantado por estudos publicados já em 1922, mas também em outras formas de câncer.

O aumento da incidência cancerígena tem sido observado em trabalhadores ocupacionalmente expostos ao benzeno e outros derivados de petróleo. Portanto, não podemos afastar de forma definitiva que estes derivados não possam aumentar a chance de surgir o câncer de próstata.

Recomendo que os petroleiros tenham uma especial atenção e preocupação em relação à esta patologia.